Inicio

Bojuru na Estrada!

Postado em BojurunaEstrada

Faz tempo que procuramos uma outra forma de viajar… uma forma mais simples, mais humana e autêntica. Sem viajar em ilusões e com muito respeito a natureza e ao ser humano. Onde as forças nos levam até o próximo local de parada estão dentro de nós mesmo. Uma forma pacífica, sem poluir e com respeito ao verdadeiro tempo, não ao tempo do relógio… O que encontramos?? Viajar em bicicleta!!!

Esse post é simplesmente a transcrição do diário de bordo da viagem. Simples e direto, sem “floreios”… aqui estou mais preocupado em manter o registro original e torná-lo disponível, principalmente para as pessoas que encontraram, junto comigo, essa nova forma de viajar.

Pra começar um vídeo curto, 6 minutos, que faz uma síntese de toda viagem… O que provavelmente tenha ficado mais interessante que o próprio texto, mesmo sendo uma edição totalmente amadora. As fotos também estão bem bacanas.


04 novembro 2018

Ontem saímos de Lajeado às 5hrs da manhã em direção Capivari do Sul, litoral norte do RS. Fomos de carona com as pessoas mais fantasticas que conheco… Um casal que meu deu amor desde o dia que nasci e por esse amor já superamos muitos conflitos. É lindo viver isso… mesmo sendo algo que eles provavelmente eles nunca tenham imaginado que um filho faria… é nóis, amo vocês e estamos juntos pra sempre por um elo muito mais forte que a próprio vida nesse plano.

Comecamos a pedalar às 9:45AM e aproximadamente às 16:20 chegamos a Praia da Solidão. Fomos direto para a beira da praia e após uma breve parada decidimos seguir até o farol procurando um local para acampar. Paramos em um bar para conversar com os moradores locais e tomar uma cerveja para comemorar o primeiro dia de pedal. Nesse momento conhecemos “TimTim”. Um senhor muito gente boa que nos convidou para ficar em uma das casa que tem para alugar. Cama, cozinha e banheiro (com banho quente!!). Era um espaco único, bem simples e perfeito! Não nos cobrou nada, estava nos ajudando de boa-fé e coração aberto. Ele ainda fez um churrasco para os meninos, mesmo depois da gente já ter comido. TimTim colocou a carne no fogo e foi dormir… hehehehe…. ele “comeu água o dia inteiro” e não se aguentava mais em pé. Eu também fui dormir e eles fizeram a festa da cachorrada da rua.

03/11 : Capivari do Sul - Praia da Solidão : 74.14 kms

05 novembro 2018

Amanhecer tranquilo depois de uma maravilhosa noite de sono. Estamos na lagoa dos Patos, a maior laguna da América do Sul. O povoado é conhecido como Caieira e esse local onde estamos como Porto do Barquinho. A primeira coisa que fizemos ao chegar foi uma maravilhoso banho de lagoa para restaurar a vida. É incrível porque é possível caminhar mais de 1 quilometro pra dentro da lagoa com a água pela cintura ou no máximo no altura do peito (isso que eu sou baixinho). Depois fui conversar com as pessoas que aí vivem para me apresentar e verificar um local seguno e sem molestar ninguém para montar acampamento. Conseguimos ficar de boas em um gramadinho gostoso na frente em uma casinha abandonada.

O céu lindo e totalmente estrelado foi nossa companhia após um maravilhoso por dor sol na lagoa. Mateus, de 11 anos, que mora aqui com os avós, passou a tarde conosco. Mais um amigo que não vamos esquecer, que lindo é o olhar de uma crianca! O amanhecer foi lindo e a lagoa ensolarada foi nosso cenário para o café da manhã. Acampamento desfeito… pé, ou melhor, roda na estrada.

04/11 : Praia da Solidão - Caieira (Porto do Barquinho): 80.46 kms

06 novembro 2018

Ontém conhecemos senhor Ademir. Mais um anjo que cruza nosso caminho. Mais uma pessoa simples, de bom coração que recebeu a gente de braços abertos. Sem saber que estavamos sempre atento as palavras ele nos disse a mesma frase que Timtim … “dessa vida a gente não leva nada”.

Faltavam 12kms para chegar ao povoado de Bojuru, já no município de São José do Norte. Avistamos uma estrada de acesso público a Lagoa dos Patos, a primeira em quilometros que não tinha porteira com uma placa de propriedade privada. Já tínhamos pedalado 85kms, ao ver a entrada paramos… conversamos e decidimos arriscar. Arriscar no caso, porque não sabíamos o quanto teríamos que pedalar até a lagoa e muito menos qual era o estado dessa estrada… Normalmente esses acessos até a lagoa ou a praia eram uma estradinha de areia bem fofa ou então bastante barro. Mas dessa vez tivemos sorte… Vamos acampar na beira da lagoa! A estrada tinha uns 2kms e assim que chegamos avistamos uma pessoa que estava aí de moto. Trocamos uma ideia rápida com essa pessoa que confirmou que esse era uma acesso púplico. Olhando mais para a direita haviam algumas cabanas que pareciam abandonadas. Decidir ir até lá ver se encontrava algum espaço plano escondido do vento (se ligue… o vento pode te deixar sem dormir a noite inteira!).

Chegando próximo a cabana apareceu um senhor e fui na sua direção. Ao me apresentar e perguntar sobre um local para acampamento … adivinha!?!?! Ele convidou a gente para ficar em uma cabana que ele mesmo construiu para receber visitantes e viajantes.

Que noite incrível!!

05/11 : Caieira (Porto do Barquinho) - Capão da Areia : 90 kms

07 novembro 2018

Hoje o pedal não foi tão suave como ontem. O vento não empurrou como ontém. Bateu bem forte de lado durante todo o dia, sempre vindo mar. Mesmo assim o pedal rendeu e chegamos perto de São José do Norte.

Durante a segunda parada que fizemos para descansar, em frente ao convidativo ponto de ônibus de madeira com banco que escolhemos para descansar, havia um simpático casal de idosos. Cruzei a BR101 e fui pedir água. Assim que pedi licensa para entrar no cercado do terreno ele já abriui um sorriso e me disse para chegar mais. A senhora de prontidão já tomou a garrafa das minhas mãos e foi providenciar a água. Conversando um pouco com eles, nos indicaram a Praia do Barranco, também na Lagoa dos Patos. Eles realmente nos deram uma dica de ouro e agora estamos bem instalados no camping do Magrão (camping Rekanto da Lagoa). Estamos a uns 15kms de Rio Grande e amanhã teremos o dia inteiro para cruzar um grande centro urbano.

Magrão é uma figura muito carismática e atenciosa. Mesmo o camping em preparativos para a bertura da temporada, no próximo final de semana, ele nos recebeu com muita hospitalidade e atenção. O local é lindo! De cara para a Lagoa dos Patos. Com árvores lindas e grandes, alguns quiosques, banheiros com água quente, uma ótima área de camping com uma figueira gigante.

Nossa janta foi uma super lentilha com arroz acebolado. Como todas as noites… temos tempos para conversar e curtir a conexão com o movimento natural do universo que é viajar de bicicleta.

06/11 : Capão da Areia - Barranco (Barra da Lagoa) : 81.12 kms


08 novembro 2018

Ontem cruzamos a primeira grande cidade desde que comecamos a pedalar, Rio Grande.

Como de costume, não saímos cedo. Após acordar, tomamos café da manhã com calma, desmontamos acampamento e lá pelas 10AM iníciamos o pedal mais curto até agora. Foram 51kms, mas nem por isso um dia fácil. Pra comecar, foi o dia em que o vento não ajudou. Não estava contra totalmente, batia de lado com forca e tirava toda estabilidade da bicicleta… foi complicado manter a atenção e forca necessárias o tempo todo. Chegamos em São José do Norte ao meio dia, encontramos um restaurante para almocar e em seguida fomos para o cais tomar a balsa para cruzar o canal. Esse canal é onde a Lagoa dos Patos conecta com o Mar!!

Na cidade de Rio Grande fomos ao super mercado para garantir alimentação para os próximos 2 dias e tratamos de sair do meio do caos urbano.

Já eram 17hrs quando chegamos ao trevo de acesso da BR471, que vai nos conduzir até o Chuí. Vimos aquela famosa placa “Próximo Posto à 100km”. Uma região de campos, pouco povoada, linda e de ventos fortes. A partir daí ficamos de olho em qualquer entrada que pudesse nos conduzir a algum lugar para acampar. Encontramos no início de uma estradinha de areia a placa “Recanto da Lagoa - 1000MTS”. Seguimos por ela e após cruzar o canal de abastecimento de água potável da cidade de Rio Grande e mais algumas propriedades chegamos até o sítio do senhor Ricardo. Um senhor de 56 anos também muito gente boa que nos recebeu atenciosamente e com muita conversa. Mesmo o camping fechado a mais de um ano senhor Ricardo nos recebeu sem cobrar nada.

Um lugar lindo, com lago ao lado da casa em um espaco gigante para barracas e laser. Ele ficou conosco em uma conversa muito boa enquanto montamos o acampamente e preparamos o jantar. Depois todos se recolheram para uma tranquila noite de sono.

O despertador é o canto dos pássaros, o céu do amanhecer já está colorido pelo sol. Tudo pronto para mais um dia maravilhoso de pedal!

07/11 : Barranco (Barra da Lagoa) - Quinta (Rio Grande) : 51.18 kms

09 novembro 2018

Ontem foi o pedal mais fácil, gostoso e tranquilo da que já tive com a bicicleta carregada. O vento à nosso favor era tão forte que por vários momentos longos foi tranquilo de manter a velocidade acima dos 30km/h.

Chegamos a Capilha cedo e às 14hrs já havíamos encontrado Paulinha, filha de Cardosinho (contato que conseguimos gracas ao Jean, uma grande amigo de SP que já passou por essas estradas em sua magrela), no posto de combustível onde ela trabalha, na entrada do povoado. Ela explicou como chegar até o sítio do Pai e confirmou que eles nos receberia super de boas.

Comemos, montamos acampamento e fomos para praia. Praia de água doce, Lagoa Mirim. Linda! Uma energia muito boa. Povoado pequeno no meio de uma reserva ecológica. É possível perceber que esta comecando a ser povoado agora pela quantidade de casas que estão sendo construídas.

O por do sol na lagoa foi fantástico, sem palavras, só gratidão!

08/11 : Quinta (Rio Grande) - Capilha (Lagoa Mirim): 62.2 kms

11 novembro 2018

Nos últimos 2 dias pedalamos quase 200kms. Agora estamos a poucos quilometros da fronteira com o Uruguai.

Chegamos ontem no final do dia a Praia do Hermenagildo. Depois de 8 dias de pedal estamos no primeiro dia completo de descanso. Hoje ninguém vai se mexer… hehehehehe

No dia 09, sexta-feira, saímos do Sítio do Cardosinho por volta das 10AM. E como vem acontecendo seguimos mais uma vez sendo impulsionados pelas forcas de Patchamama… vento na bunda! Decidimos parar em Vila Anselmi, localidade de Curral Alto. Onde, após conversar com um morador local e voltar uns 3kms, encontramos um acesso público para a Lagoa Mirim.

Dessa vez sim! Apesar de várias tentativas, essa noite é nosso primeiro real acampamento selvagem da viagem. Não vai aparecer ninguém para oferecer abrigo pra gente. Para ficar tudo um pouco mais emocionante colocamos em prática uma ideia minha que não se mostrou muito boa no final… mas rendeu uma vista pro céu estrelado e muitas estrelas cadentes. Não montamos as barracas… Decidimos só abrir uma lona no chão e entrar nos sacos de dormir sobre a lona.

O espetáculo estrelar visto em tela plana 4k full HD!!! Lindo! O problema foi que amanhecemos completamente molhados, nós e os sacos de dormir. O orvalho e a umidade do ar eram tão densos que ficamos ensopados. Mas apesar disso tudo, passar a noite aí foi lindo. O pôr do sol e o amanhecer foram incríveis, muitos pássaros! Estávamos na beira da Lagoa Mirim entre um rio e um canal artificial, onde ficavam ancorados vários pequenos barcos de pesca. Antes de iniciarmos mais um dia de pedal, Luís, um dos pescadores apareceu para mais um dia de trabalho e trocou uma ideia com a gente.

O pedal de ontem foi o maior dessa viagem, foram 116kms percorridos com relativa tranquilidade. Apesar do vento não estar a nosso favor, não estava totalmente contra… o que nos permitiu avançar até a Praia do Hermenegildo onde nos instalamos no único e tranquilo camping funcionando no povoado, o camping do senhor Pachuca.

09/11 : Capilha (Lagoa Mirim) - Vila Anselmi : 72.89 kms 10/11 : Vila Anselmi - Praia do Hermenegildo: 116.33 kms

13 novembro 2018

Depois de 1 dia de descanso decidimos ir até a rodoviária do Chuí garantir o busão de volta. Meus companheiros precisam retomar suas rotinas e eu de um médico o quanto antes (faz 5 dias que estou sentindo uma dor que só aumenta devido uma inflamação na região da barriga, assim que chegar em Lajeado vou pra UPA - tomara que seja algo simples).

Após garantir as passagens fomos pedalar um pouco para conhecer a região que sempre foi de passagem para todos nós. Frena estava bem fisicamente e decidiu por um pedal para “La Coronilla”, no Uruguai. Wia e eu fizemos um pedal para Barra do Chuí, cruzamos a ponte internacional para a Barra del Chuy (também fomos para o Uruguai) e após retornarmos pela ponte para o Brasil fomos até a Praia do Hermenegildo pela beira-mar, são 12 kms da Barra do Chuí até a Praia do Hermenegildo pela areia, pela estrada são 30 kms.

Assim que chegamos ao camping o senhor Pachuca nos convidou a colocar as barracas na garagem de sua casa. Ele estava preocupado pois a noite prometia uma forte tempestade e no outro dia pela manhã teríamos que desmontar acampamento abaixo de chuva… ahhhh esse anjos!!

Acordamos cedinho, preparamos aquele delicioso cafézinho de todas as manhãs e desmontamos acampamento. O último pedal da viagem terminou com chuva. Almoçamos na rodoviária e assim que o busão chegou fomos conversar com o motorista que foi muito, muito gente boa. Abriu um bagageiro e disse que aquele era nosso, podiamos organizar a nosso gosto. Também falou que iria ligar para a companhia para avisar da bagagem e manter o ônibus até o final da viagem. Essa linha previa uma troca de carro em Pelotas. Colocamos tudo no bagageiros e voltamos tranquilos, sem esforco algum. Só curtindo a paisagem linda que haviámos cruzado de bicicleta alguns dias antes.

Agora é só relaxar e curtir uma viagem onde você entra na caixa… viaja … sai da caixa… e chega ao lugar… hahahahaha…

Só gratidão!

12/11 : Praia do Hermenegildo, Chuí, Barra do Chuí, Barra del Chuy (UR), Praia do Hermenegildo: 65.2 kms 13/11 : Praia do Hermenegildo - Chuí: 32.8 kms

Quilometragem final: 728.32 kms



Aos irmãos, Frena e Wia, que estiveram juntos nessa jornada e a todas as pessoas maravilhosas, ou não, que encontramos pelo caminho… GRATIDÃO!

Estamos aqui para aprender a cada momento… com respeito, amor e verdade!

Nomade de bicicleta!

Continuar...

Verdade, respeito e amor