Inicio

Tranquilândia

Postado em Nordeste2017

Caminho de descobrimento, próxima parada: Tranquilândia… o caminhar é a viagem, o chegar é o agora.

Após pedalar 137km, ontem, cheguei em Canoa Quebrada/CE. Fui recebido por Geovanio na pousada “Embaixada de Marte”, que é de Antonie Frebet, ambos amigos de Edu (que conheci em Flecheiras/CE). Após me receber, Giovanio me levou ao ponto mais alto da cidade para ver o pôr do sol. Uma pequena laje que fica a uns 15m de altura acima da casa principal da pousada.

Estou vendo esse dia lindo dando espaço a noite acolhedora no infinito e multicolorido céu, todos os tons de laranja, vermelho, rosa e azul pintam meu olhar com amor e administração a beleza harmônica e perfeita da natureza.

Em Canoa Quebrada/CE a minha cabeça está literalmente quebrada em milhares de pedacinhos para permitir receber tudo e expressar da melhor maneira possível.


Ainda tenho muitos kms pelas frente mas já estou começando a sentir o fim da viagem se aproximando. As vezes minha cabeça vai pra frente e pensa ou tenta imaginar o que vai vir assim que chegar em casa… trabalho, compromissos, obediência forçada à um sistema e modo de vida que cada vez mais deixa de fazer sentido… era nítido que esse era o primeiro passo de uma caminhada em busca da realização de sonhos que pareciam impossíveis. Senti a necessidade de concentrar e não perder o foco com coisas que podem ser resolvidas de maneira simples e direta… Senti que era necessário levar esse amor e respeito para tudo.

Como fazer tudo que está na mente com calma, amor e verdade para não magoar nem ser indiferente com ninguém, principalmente quem está próximo?

A resposta estava no momento presente. Não existe motivo para preocupação (pré - ocupar)… tudo acontece no caminhar, não adianta viver com a cabeça nas coisas do passado (tanto as boas como as ruins) com ressentimento ou nostagia, também é nítido que colocar alguma expectativa nas divagações sobre o fututo não é algo saudável. O que realmente importa é o momento presente.

Como respondo as coisa que acontecem ao meu redor?? Ação e reação … esse movimento básico da vida necessita de Amor, Respeito e Verdade… só assim a vida pode se manifestar em sua plenitude. Sinto que isso sempre esteve presente, mas realmente necessitava dessas experiências para sentir a ação desses valores no dia-a-dia.

TRANQUILÂNDIA... DESTINO, SORTE?
Positive Vibrations!

Geovanio é um pescador nativo de Redonda, praia vizinha de Peroba e Picos, todas em Icapuí/CE, onde estou agora. Homem do mar, profundo conhecedor da vida marinha, da arte da pesca e do mergulho. Aprendi muito com ele nesses dois dias que passei em Canoa.

Sai de Canoa Quebrada por volta das 7:00AM, cheguei em Peroba às 11AM. Foram só 52km, 4horas de pedal, mas deu pra sentir que a vida não vai ser nada fácil com esse vento contra que a cada km parece aumentar.

desenho do diário

Parece que tem uma turbina de ar ligada na minha frente. Nas decidas precisava pedalar pra Tortuga não parar.

VOCÊ TEM MEDO DE QUÊ?
OLHA O TAMANHO DA VIDA! (Aíla)

Fui dormir com a cabeça cheia de ideias, planos, medos, talvez um pouco de ansiedade. Dormi um sono tranquilo e acordei em paz no paraíso. Sem atropelo, sem apavoro. Vi um nascer do sol tímido por “de trás” das nuvens, surgindo no mar e iluminando as falésias da praia de Picos. Fiz um delicioso café da manhã com tapioca acompanhado pelo astro rei que subiu o necessário para fugir das nuvens e brilhar no horizonte.


Saúde me recebeu com carinho e atenção quando cheguei em Peroba, Icapuí/CE, para passar alguns dias na casa de Edu. Ela me levou até a casa, me deixou super a vontade e disse que voltaria mais tarde para conversar um pouco porque já estava na hora do almoço. A tarde conheci melhor seu filho mais novo, Jair, e pude conversar mais com Saúde, uma pessoa muito tranquila e atenciosa que adora lugares sussegados. Ela disse uma frase que me vez refletir profundamente.

- “A gente precisa de outras pessoas para viver, não dá pra viver isolados”

E me falou como era bom viver em no local onde você nasceu, ter tranquilidade e conhecer todas as pessoas da localidade. Consegui sentir nela uma plenitude tranquila e sincera, algo que raramente percebia em alguém. O marido e o filho mais velho de Saúde estavam trabalhando em outra cidade e não tive a oportunidade de conhecê-los.

Jair, o filho mais novo de Saúde, é um menino alegre, cheio de energia e curiosidade, uma criança pura e apreciadora da natureza. Da atenção aos menores detalhes e expressa lindamente a felicidade sentida em admirar a beleza da mãe Terra. Foi meu companheiro nos dias que estive em Peroba.

Numa manhã ensolarada, Jair colocou a gopro na cabeça e me levou brincando, correndo e pulando, pelas lindas falésias coloridas. Me falou do mar, da pesca, da beleza dos animais, da mata com suas montanhas, do céu e do mar. E me conduziu por um belo passeio, filmando tudo.

No vídeo abaixo… Tentativa de narrar uma pequena história (atenção: 15m) com quase 2 horas de gravações feitas por Jair - usando software livre e nada de conhecimento de produção de vídeos… obs: vale a pena assistir em hd pois o lugar é lido demais


No final do dia último dia em Pebora, antes de pegar estrada novamente, Edu chegou e com ele veio também Manu! Passar a noite com eles foi maravilhoso! Edu curtiu as fotos que fiz das praias e falésias.

Senti que compartilhamos uma forma muito parecida de conexão com a natureza, estou feliz em poder proporcionar um momento de felicidade para outra pessoa com algo que me proporciona o mesmo sentimento.

Manu tocou várias canções, cada um de nós deitado em uma rede na varanda de frente para o mar, sobre as falésias. A maneira como Manu faz música é a maneira como sinto a música conectada com esse lugar lindo, forte, mágico e tranquilo.

A despedita perfeita para um lugar tão belo com pessoas maravilhosas. Sentimento de gratidão intenso, principalmente por estar realmente vivendo de bicicleta essa região linda e de pessoas tão acolhedoras.

Dia de pedal… acordei antes de todos, às 4:30AM, organizei Tortuga e pela última vez vi o sol o nascer refletindo nas falésias da praia de Peroba, um dos lugares mais lindos que já tive a oportunidade de estar.

Preparei o café enquanto o pessoal acordava e tive o momento mais emocionante relacionado com pessoas de toda a viagem. Todos vieram se despedir… Saúde, Jair, Edu, Manu e Dãmiao, mais um amigo de Edu (que estava trabalhando numa obra do sítio). Não consegui segurar as lágrimas, essas pessoas fazem parte de uma profunda transformação na minha forma de ver o mundo e os seres humanos.

Edu me disse uma coisa muito linda antes de sair, gostaria de lembrar exatamente as palavras que ele falou, mas foi algo como… Nos alforges que estão presos na bicicleta tu não leva só o equipamento, neles você leva verbos, verbos como força, fé, amar, ouvir, conhecer, entender, dividir, construir… Tudo isso estava explodindo dentro de mim e deixei as lágrimas rolarem… Pra completar Jair me acompanhou de bicicleta pelas primeiras pedaladas da manhã… Com certeza nunca tinha vivido algo parecido e me senti repleto de felicidade por estar vivo!!

Abaixo, fotos da TRANQUILÂNDIA, praias de Peroba e Picos, em Icapuí/CE.


Foram 107km no total, acabei de chegar em Porto do Mangue/RN, nem percebi o momento que cruzei a divisa dos estados de CE e RN, a região que pedalei nesse dia era praticamente um deserto, entre Manibú/CE e Areia Branca/RN passando por Tibau que é a fronteira (metade dessa cidade fica no Ceará e a outra metade no Rio Grande do Norte). Ao longe pude avistar aquelas máquinas gigantes de perfuração do solo, não sei se para encontrar aguá ou petróleo, essa região é muito conhecida pelos assaltos e por ser extremamente desértica… não quis parar nem um minuto para tirar fotos ou investigar o que eram aquelas máquinas gigantes que pareciam passaros gigantes no horizonte. Várias pessoas haviam me dito para não cruzar essa região de bicicleta pois provavelmente eu seria assaltado e talvez até morto, eram muitas histórias e praticamente toda semana acontecia algo parecido por lá.

A verdade é que não vi ninguém durante 25kms e todo o medo e apreensão estavam só dentro da minha cabeça. Assim que cruzei esse deserto tomei uma balsa em Areia Branca/RN para Grossos/RN cruzando o Rio Apodi, a partir daí tirei esses pensamentos da cabeça e me foquei em chegar no meu destino. Parei em Ponta do Mel/RN para almoçar e continuar o pedal tranquilo e alimentado até Porto do Mangue/RN.

Em Porto do Mangue, uma pequena cidade pesqueira no início do estado do Rio Grande do Norte, me instalei numa pousada barata, 20 reais a pernoite sem café da manhã, pois não tinha onde acampar. Aproveitei para dar um banho, de chuveiro mesmo - dentro do quarto da pousada -, em Tortuga (pedalar por esse deserto tinha deixado a corrente e toda a relação completamente cheias de areia) deixei ela pronta para o pedal, limpa e lubrificada. Fui até o mercado comprar comida pra janta, café da manhã e o que mais precisava para o próximo di de pedal… após um banho quente e comer bastante (fome de quem pedala nunca acaba) simplesmente “capotei” na rede…

Nomade de bicicleta!

Continuar...

... a viagem é pra dentro!